Terça-feira, 25 de Maio de 2010

AGULHETADAS (50)

Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito nos dias que correm.

Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de abraçar e tempo de afastar-se; tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz.

Há tempos na nossa vida que contam de forma diferente. Há semanas que duram anos como há anos que não contaram um dia.

Há paixões que foram eternas, como há amigos que passaram céleres apesar do calendários nos mostrar que ficaram por anos nas nossas agendas.

Há amores realizados que deixaram olhares de meses e beijos não dados que até hoje esperam o desfecho.

Há trabalhos que se tornaram décadas do nosso tempo na Terra, mas que a nossa memória insiste em contá-los como semanas.

Há casamentos que, ao olhar para trás, mal preenchem os feriados do ano.

Há tristezas que nos paralisam por meses, mas que hoje, passados os dias difíceis, mal guardamos as lembranças das horas.

Há eventos que marcaram e duram para sempre, toda uma vida de exemplos. O nascimento de um irmão, a morte da avó, a viagem inesquecível, e êxtase do sonho realizado. Estes têm a duração que nos ensina o significado da palavra eternidade.

Já viajamos para o mesmo sítio dezenas de vezes e na maioria delas, o tempo transcorrido foi o mesmo, mas conforme o meu espírito, houve viagens que não tiveram fim até hoje, como há percurso que nem nos lembramos de os ter feito tão felizes estávamos nessas ocasiões.

O relógio do coração, hoje descubro bate noutra frequência daquele que tenho no pulso, marca um tempo diferente, de emoções que perduram e que mostram o verdadeiro tempo da gente, por este relógio, velhice é coisa de quem não conseguiu esticar o tempo que temos no mundo, é olhar as rugas e não perceber a maturidade, é pensar naquilo que não foi feito, ao invés de se alegrar e sorrir com as lembranças do que viveu. Quando penso nisto tudo consulto sempre o meu relógio do coração, ele mostra-me sempre o verdadeiro e real tempo no mundo dos mortais que eu faço parte. Claro que entendo que o presente é a sombra que se move separando o ontem do amanhã. Nele repousa a esperança, mas cada diz que passa a esperança de sermos melhores vai ficando cada vez mais para trás tal é a incapacidade de quem tem a obrigação de andar na nossa frente no dever, no exemplo, na dedicação sem se servir. Li algures que o tempo foi algo que se inventou para que as coisas não acontecessem todas de uma vez. No nosso caso o que acontece não abona a nosso favor. Infelizmente, não podemos parar o tempo nem tão pouco retirar notas para a história cada vez mais triste.

publicado por portovoluntario às 17:23
link | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
22

23
24
25
26
27
28
29


.posts recentes

. MARGEM DE CÁ

. UM ANO MAIS

. CAPELINHAS

. MADONNA

. PIOR DO MESMO

. IGUAL, SÓ EM SONHOS

. PILI

. FELIZ NATAL

. PODIAM FAZER IGUAL

. SÓ ACONTECE AOS OUTROS - ...

.arquivos

. Fevereiro 2020

. Junho 2019

. Fevereiro 2019

. Dezembro 2018

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Agosto 2016

. Fevereiro 2016

. Agosto 2015

. Fevereiro 2015

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds